SITE EM ATUALIZAÇÃO... Luís José Magalhães Joca
Terça, 14 Agosto 2018

Luís José Magalhães Joca

 O contínuo do Expresso de Luxo que virou Jornalista

O jornalista Luís José Magalhães Joca nasceu no dia 9 de junho de 1950, na rua Tereza Cristina, em Fortaleza. Morou em mais duas casas na mesma rua. Depois na Praça da Igreja, na praia do Jacarecanga, onde foi moleque jogando bola e tomando banho de mar. Aos 13 anos foi para Sobral. Morou 3 anos com a irmã, Teresinha. Aos 16 anos (1966) voltou para Fortaleza, no bairro Henrique Jorge. Ficou com a irmã Francy e o cunhado Getúlio Noleto.

 

Nessa idade, começou a trabalhar nos dois expedientes. Começou como contínuo e, alguns anos depois, saiu como encarregado de Seleção de Pessoal da Empresa Expresso de Luxo. Estudava à noite. Fez o então ginásio e científico (hoje secundário) nos colégios Henrique Jorge e João Pontes, da Campanha Nacional de Educandários Gratuitos (CNEC).

 

Em 1969, voltou a morar com a mãe (por 7 anos), em casa comprada pela irmã Teresinha. Prestou serviço militar. Serviu no Curso de Preparação de Oficiais da Reserva (CPOR).

 

Em seguida, ingressou na Universidade Federal do Ceará (UFC), no curso de Física. Terminou o 1º ano e desistiu, por entender que seria professor, daria um milhão de vezes as mesmas aulas, ou faria pesquisa, o que não existia no Brasil (como hoje também). Fez novo vestibular e entrou no curso de Jornalismo. Formou-se em Comunicação Social (1976). Na UFC atuou na liderança estudantil (1974/1976). Integrou o Conselho Universitário. E, em plena ditadura militar, com seus cinco companheiros da liderança, conseguiu reaver a sede do Diretório Central, que havia sido fechada e devastada em 1969, com a prisão de muitos estudantes. Teve o apoio inestimável do reitor Pedro Teixeira Barroso e do pró-reitor estudantil, João Nunes Pinheiro, que defenderam, corajosamente, a causa deles contrariando a Ditadura. A nova sede recebida (1976), existente até hoje, era o prédio em que funcionara a Rádio Uirapuru, esquina da rua 24 de maio, com Clarindo de Queiroz, na Praça da Faculdade de Direito.

 

Como jornalista profissional, trabalhou em Fortaleza no jornal Tribuna do Ceará, ganhando vários prêmios de reportagens em 1976/77.

 

Para fazer mestrado em Comunicação Social, veio para Brasília, mas, na UnB, descobriu que o curso estava fraquíssimo (apesar de ter alguns professores competentíssimos), pois mais de 200 professores da universidade tinham se demitido ou sido afastados na ditadura.

 

Em Brasília, trabalhou no Correio Braziliense. No terceiro mês, tirou férias de um colega no jornal O Estado de São Paulo. Convidado para ficar, preferiu permanecer no Correio para conhecer melhor a cidade de Brasília. Depois ingressou no Jornal de Brasília. Foi editor de Política, inclusive durante a Assembleia Nacional Constituinte de 1988.

 

Em 1989, convidado, integrou a equipe da Campanha a Presidente da República do Dr. Ulysses Guimarães. No ano seguinte, criou a JMMC – Consultoria em Comunicação. Em 1998, a empresa foi contratada e integrou a campanha de reeleição de Fernando Henrique Cardoso a presidente da República.

 

Foi delegado sindical do Correio Braziliense, de 1978 a 1980. Neste último ano, foi eleito secretário-geral do Sindicato dos Jornalistas do Distrito Federal ficando com mandato até 1983, mas sempre trabalhando nos jornais. Seria o candidato natural à presidência do sindicato, no mandato seguinte, mas recusou para evitar o continuísmo sindical.

 

Em 1985, cobrindo a Presidência da República para o jornal Última Hora, foi eleito presidente do Comitê de Imprensa do Palácio do Planalto (eleito pelos jornalistas credenciados, sem remuneração). Disputou com um colega da TV Globo que era, à época, muito ligada ao governo, em plena transição da Ditadura Militar para a volta à democracia.

 

Em 2002, deixou a JMMC e criou a Luís Joca – Consultoria em Comunicação. Como pessoa jurídica, nas duas empresas, prestou serviços à Agência Estado, do Jornal O Estado de S. Paulo (Coordenação de Marketing, nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste); foi assessor de Imprensa do Conselho Federal de Medicina Veterinária; do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB); da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-DF), por duas vezes; da Associação Brasileira da Indústria Gráfica (ABIGRAF); do Sindicato da Indústria Gráfica do DF, (de maio de 1995 a maio de 2005); da Federação Brasileira de Hospitais; da Associação Nacional dos Servidores da Previdência Social (ANASPS); da Confederação das Santas Casas de Misericórdia do Brasil; da Confederação Nacional de Saúde; da Associação dos Notários e Registradores do Brasil; do Conselho Nacional de Pesca e Aquicultura; da Federação Nacional de Estabelecimentos de Serviços de Saúde (FENAESS), e da deputada federal Raquel Teixeira (PSDB-GO), entre outros clientes.

 

Em junho de 2009, como pessoa física, se tornou assessor de Imprensa da Liderança do PSDB na Câmara dos Deputados, trabalhando com os líderes José Aníbal (SP) e João Almeida (BA). Deixou o cargo em março de 2011. Continua fazendo consultoria/assessoria de comunicação. (LJMJ)

 

 

 

 

 

Atividades

Visitantes

Total: 15018